publicidade

domingo, 16 de novembro de 2014

Terrorcidio



Formada em Fevereiro de 2009 na Cidade Ocidental, periferia do entorno sul de Brasilia, o TERRORCÍDIO surge com o propósito de cultiva e fortalecer a cena do metal nacional com suas letras em português e um som na linhagem do Thras/death metal. Com influências de Toture Squad, Slayer, Cannibal Corpse e outros o TERRORCÍDIO segue lutando no movimento underground participando de eventos no DF e entorno. Em 2012 a banda lança sua primeira demo "Tormento" que conta com oito faixas, Vivendo em Desgraça, Demolição, Tormento, Blood tears, Masssacre ou Agressão, Periferia Sangrenta, Escravo do Poder e Suicídio.
Em 2014 a banda passou por uma mudança de intrgrantes, com a saida do seu excelente ex-baixista Ronaldo, a banda continuava fazendo shows com somente guitarra, batera e voz.
Também em 2014 a banda perde o seu batera Luiz Albetor por motivos de trabalho etc.. Ele também foi uns fundadores da terrorcidio.
Depois de alguns meses com os trabalhos parados, os integrantes restantes e fundadores da Terrorcidio, o vocalista Paulo Terrorcidio e o guitarra Wesley, decidem tocar o barco, e decidem convidar um amigo e excelente musico, Graciel Cavalcante, para assumir a bateria. Após a aceitação,os trabalhos e as modificaçãos das musicas antigas continuam e vão tomando uma cara nova com mais peso e brutalidade.

sexta-feira, 25 de junho de 2010

prova concreta sobre E.t.

Há muitos videos, fotos, e testemunhas de aparições de ovnis e ETs, muitas delas são montagens, e algumas são grandes enigmas, há vários relatos de pessoas que já foram abduzidas e contam como foi a abdução, e como era dentro da nave, difícil de acreditar, mas também difícil de desacreditar, o seriam essas estranha formas de pessoas e naves andando por aí? Seriam espécies de outro mundo, apenas enganações dos nossos olhos ou grandes farsas de gente que não tem o que fazer?






O que vocês tem a dizer? Pois eu fico sem falas, essas aparições misteriosas me deixam confusa, se forem seres verdadeiros, são curiosos e tímidos, haha. Ou não passam de farsas e montagens, eu não posso acreditar em nenhum dos dois, pois ainda não há nenhuma prova concreta sobre Ets e seus ovnis.

Esqueleto extraterrestre analisado no Japão





O esqueleto de um ser não humano foi analisado no Japão e será exposto em Cuiabá.Ele tem a cabeça desproporcional ao corpo, arcada dentária completa, 6 dedos nos pés, globo ocular diferenciado, e uma altura de 50cm.
'

A rede de televisão japonesa Asahi foi com uma comitiva ao nosso museu em 2005 e fizeram o convite para que participássemos de um documentário para analisar o esqueleto. O interessante é que também fizeram uma reconstituição. Eles realizaram exames que mostraram que ele (o suposto extraterrestre) difere da realidade humana, principalmente porque a densidade óssea é de 2 a 30, enquanto a de um ser humano varia de 500 a 1.500', ressaltou Wellington Estevanovic.


Segundo Estevanovic, nos testes foi observado se haveria a possibilidade de a criatura ter tido hidrocefalia. No entanto, essa hipóteses foi afastada.

Quem tem medo dos alienígenas?

Quem tem medo dos alienígenas?



Alienígenas são intrinsecamente bons? Ou são, por natureza, maus? Ambas as perguntas, que são na verdade uma só, ressurgem com força no rastro das declarações do grande físico Stephen Hawking.



Hawking, o paradigma atual do físico/astrônomo para grande parte da população leiga, declarou, recentemente, que devemos evitar contato com culturas alienígenas, pois estas só estariam interessadas em nos explorar e/ou nos conquistar



Um dos grandes trunfos de Hawking, como divulgador de ciências, é saber acender polêmicas, criando frases de efeito que já saem de seu processador de texto quase prontas para virarem manchete de jornal. Com a polêmica criada, a mensagem se torna retumbante e atrai a atenção de mais e mais pessoas para um fato que poderia muito bem passar desapercebido. Hawking é um gênio em vários níveis…



Eu concordo com Hawking, embora tenha consciência de que o argumento é superficial. Certamente, Hawking também sabe disso… Eu, como Hawking, me apoio em nossa história, lembrando tantos e tantos encontros infelizes entre civilizações mais desenvolvidas com outras nem tanto. A mais óbvia e direta é a conquista das Américas.



Se os alienígenas existem (e, como Hawking, eu não tenho dúvidas de que existem, embora não tenha provas concretas), há uma chance de que sejam mais avançados do que nós. Claro que isso não é certo, mas, estatisticamente falando, é muito provável que haja civilizações muito mais desenvolvidas tecnologicamente do que nós.



Em nossa evolução como sociedade, sabemos que a ciência evolui muito mais rapidamente do que a consciência. Nós, terráqueos, somos mestres em inventar novas maneiras de matar, machucar e torturar nossos vizinhos. E é essa nossa “índole coletiva” que nos leva aos encontros infelizes do passado (perguntem aos índios, ou aos maias, ou aos maoris).



Uma civilização altamente desenvolvida, do ponto de vista científico e tecnológico, que venha a descobrir a Terra, pode muito bem se sentir no direito de tratá-la como os europeus trataram as Américas nos séculos XV, XVI e XVII. É isso que Hawking alerta e é com isso que eu concordo.



Mas onde está a superficialidade deste argumento? Ora, estamos construindo hipóteses a respeito de uma cultura alienígena baseados em nossa ótica e nossa ética. Nada nos garante que essa construção mental se sustente. Em tempos de Avatar, por que não supor que a consciência de uma cultura alienígena tenha se desenvolvido antes de sua ciência?



Por outro lado, e ainda nas citações cinematográficas, quem nos garante um encontro diferente do descrito no filme Independence Day?


Fato é que se nosso desenvolvimento cultural for considerado norma universal, é bem provável que Hawking esteja certo e devamos, a todo custo, evitar contatos alienígenas. Infelizmente, nem eu, nem Hawking, nem o astrônomo típico temos ferramentas eficientes para trabalhar com essas hipóteses. Nesse caso, acho que sociólogos, antropólogos e neurocientistas deveriam se


juntar ao debate.O importante é manter o debate aceso!


Raptos (Abduções) alienígenas







"...a despeito do fato de nós humanos sermos grandes colecionadores de lembrancinhas, nenhuma dessas pessoas [que afirmam ter estado a bordo de um disco voador] voltou com uma simples ferramenta ou artefato extraterrestre, o que poderia de uma vez por todas resolver o mistério dos OVNIs." Philip Klass



Existe uma crença amplamente difundida, embora errônea, de que seres alienígenas viajam à Terra vindos de algum outro planeta, e que estariam fazendo experiências reprodutivas com alguns poucos escolhidos. A despeito da natureza inacreditável dessa idéia e da falta de provas dignas de crédito, desenvolveu-se um culto em torno da crença em visitas e abduções alienígenas.














É muito provável que haja vida em algum lugar no universo, e que parte dessa vida seja muito inteligente. Há uma probabilidade matemática de que, entre os trilhões de estrelas nos bilhões de galáxias, existam milhões de planetas análogos em idade e com proximidade a uma estrela como a do nosso sol. As chances parecem muito boas de que a vida tenha evoluído em alguns desses planetas. É verdade que, até bem recentemente [janeiro de 1996], não tinha havido nenhuma prova observacional significativa nem mesmo de que existisse algum planeta fora do nosso sistema solar. Apesar disso, parece muito improvável que nossa parte do universo tenha surgido de uma forma completamente singular. Sendo assim, devem existir planetas, e luas, e asteróides, etc., em todas as galáxias e ao redor de muitas das estrelas nessas galáxias. Logo, parece alta a probabilidade de que haja vida inteligente em algum outro lugar do universo, embora seja possível que sejamos únicos.
Não devemos nos esquecer, no entanto, de que a estrela mais próxima (além do nosso sol) está tão distante da Terra que viajar entre as duas levaria mais tempo que toda uma vida humana. O fato de que nosso sol leve cerca de 200 milhões de anos para dar uma volta na Via Láctea, dá uma idéia da perspectiva que temos que ter das viagens interestelares. Estamos a 500 segundos-luz do sol. A próxima estrela em proximidade da Terra está a 4,3 anos-luz. Isso pode parecer próximo, mas na verdade é algo como 40 trilhões de km de distância. Mesmo viajando a 1,6 milhões de km/h, seriam precisos mais de 2.500 anos para se chegar lá. Para se fazer isso em cinqüenta anos, seria preciso viajar a mais de 1,6 bilhões de km/h por toda a viagem. A despeito da probabilidade de haver vida inteligente em outros planetas, qualquer sinal vindo de qualquer planeta no universo, enviado em qualquer direção, tem pouca probabilidade de estar na rota de outro planeta habitado. Seria tolice explorar o espaço em busca de vida inteligente sem saber exatamente onde procurar. Além disso, esperar por um sinal pode exigir uma espera mais longa do que qualquer forma de vida, em qualquer planeta, pudesse durar. Por fim, se nós realmente recebermos um sinal, as ondas que o transportaram foram emitidas centenas ou milhares de anos antes e, no momento em que rastrearmos sua fonte, o planeta que as emitiu pode não mais ser habitável ou mesmo existir.
Assim, embora seja provável que exista vida inteligente no universo, a viagem entre sistemas solares em busca dessa vida apresenta alguns sérios obstáculos. Os viajantes ficariam fora por um tempo muito longo. Precisaríamos mantê-los vivos por centenas ou milhares de anos. Precisaríamos de equipamentos que pudessem durar centenas ou milhares de anos, e ser reparados ou substituídos nas profundezas do espaço. Essas não são condições impossíveis, mas parecem ser barreiras suficientemente significativas para tornar a viagem espacial intergalática altamente improvável. A única coisa necessária para uma viagem como essa que não seria difícil de se obter seriam pessoas dispostas a viajar. Não seria difícil encontrar muitas pessoas que acreditam que poderiam ser adormecidas por umas poucas centenas ou milhares de anos e despertadas para procurar por vida em algum planeta estranho. Elas parecem até acreditar que poderiam então coletar informações para trazer de volta à Terra, onde desfilariam em carro aberto pelas ruas do que quer que tenha restado de Nova York.
abdução e estupro?
A despeito da improbabilidade da viagem interplanetária, ela não é impossível. Talvez existam que possam viajar a velocidades muito altas e que possuam tecnologia e matéria prima para construir naves capazes de viajar a uma velocidade próxima à da luz ou maior. Teriam esses seres vindo aqui para abduzir pessoas, estuprá-las e fazer experiências com elas? Têm havido vários relatos de abdução e violação sexual por criaturas pequenas e calvas, que possuem grandes crânios, queixos pequenos, grandes olhos oblíquos e orelhas pontudas ou ausentes. Como explicar a quantidade dessas histórias e sua semelhança? A explicação mais razoável para os relatos serem tão similares é que eles são baseados nos mesmos filmes, nas mesmas histórias, nos mesmos programas de televisão e nas mesmas histórias em quadrinhos.
A história de abdução alienígena que parece ter iniciado as crenças do culto da visita e experimentação alienígena é a de Barney e Betty Hill. Os Hill afirmam ter sido abduzidos por alienígenas em 19 de setembro de 1961. Barney afirma que os alienígenas colheram uma amostra do seu esperma. Betty afirma que lhe cravaram uma agulha no umbigo. Ela levou pessoas até um ponto de aterrissagem alienígena, mas só ela podia ver os seres e sua nave. Os Hill se recordaram da maior parte da sua história através da hipnose, poucos anos após a abdução. Barney Hill relatou que os alienígenas tinham "olhos envolventes," uma característica bem incomum. No entanto, doze dias antes, um episódio de "The Outer Limits" mostrava um alienígena exatamente assim (Kottemeyer). Segundo Robert Schaeffer, "podemos encontrar todos os elementos principais dos abduções por OVNI contemporâneos numa história em quadrinhos de aventuras de 1930, Buck Rogers in the 25th Century[Buck Rogers no século XXV]."





A história de Hill vem sendo repetida várias vezes. Existe um período de amnésia logo após o suposto contato. Há então geralmente uma sessão de hipnose, aconselhamento ou psicoterapia, durante a qual aparece a lembrança de ter sido abduzido e sofrido experiências. A única variação entre as histórias dos abduzidos é que alguns afirmam ter recebido implantes, e muitos afirmam ter cicatrizes e marcas colocadas em seus corpos pelos alienígenas. Todos descrevem os seres de maneira muito semelhante.
Whitley Strieber, que escreveu vários livros sobre seus supostos abduções, descobriu que tinha sido abduzido por alienígenas após psicoterapia e hipnose. Strieber afirma que viu alienígenas incendiarem seu telhado. Diz ter viajado a planetas distantes e voltado durante a noite. Quer que acreditemos que só ele e sua família podem ver os alienígenas e sua espaçonave, onde outros não vêem nada. Strieber acaba parecendo uma pessoa bastante perturbada, mas que realmente acredita que vê e está sendo molestada por alienígenas. Descreve seus sentimentos com precisão suficiente para fazer crer que ele estava num estado psicológico bem agitado antes de ser visitado pelos alienígenas. Uma pessoa nesse elevado estado de ansiedade estaria propensa à histeria e seria especialmente vulnerável a mudanças radicais nos padrões de comportamento ou crença. Quando Strieber estava tendo um ataque de ansiedade, consultou seu analista, Robert Klein, e Budd Hopkins, pesquisador de abduções alienígenas. Então, sob efeito da hipnose, Strieber começou a relembrar os horríveis seres e suas visitas.
Hopkins mostrou sua sinceridade e incompetência investigativa no programa da televisão pública Nova ("abduções Alienígenas," primeiro programa em 27 de fevereiro de 1996). A câmera acompanhou Hopkins sessão após sessão com um "paciente" muito agitado e altamente emotivo. Então, Nova acompanhou Hopkins à Flórida onde ele alegremente ajudou uma mãe visivelmente instável a incutir nas crianças a crença de que elas tinham sido abduzidas por alienígenas. Entre mais sessões com mais dos "pacientes" de Hopkins o telespectador o ouvia repetidamente fazer propaganda de seus livros e suas razões para não demonstrar nenhum ceticismo a respeito das afirmações bastante bizarras que extraía de seus "pacientes". Nova solicitou à Dra. Elizabeth Loftus que avaliasse o método de Hopkins para "aconselhamento" das crianças cuja mãe as estava incentivando a acreditar que tinham sido abduzidas por alienígenas. Com o pouco que Nova nos mostrou de Hopkins em ação, ficou aparente que ele encorajava a criação de lembranças, embora alegasse estar recuperando recordações reprimidas. A Dra. Loftus observou que Hopkins incentivou muito seus "pacientes" a recordar mais detalhes, assim como deu muitas recompensas verbais quando novos detalhes eram revelados. Ela caracterizou o procedimento como "arriscado", por não sabermos que efeito esse "aconselhamento" terá nas crianças. Parece que podemos seguramente prever um: elas crescerão pensando ter sido abduzidas por alienígenas. A crença estará tão entranhada na memória delas que será difícil fazê-las cogitar a possibilidade de que a "experiência" tenha sido plantada por sua mãe, e cultivada por fanáticos por alienígenas como Hopkins.













publicidade